Bê-a-bá da cozinha / Techniques culinaires·Bela, glutona e do mundo / Cuisine du monde·Português / Portugais·Prato principal / Plat

Massa fresca florida

pâte fleurie chaud patate 01.jpg

fr.png     cliquez icic pour accéder la version en français     fr.png

brasil     versão em português      brasil

Vamos brincar de massinha? Quem aqui concorda que massa fresca caseira é ainda mais gostosa que a seca comprada no supermercado (há marcas e marcas…)? Além de ter outra textura e outro gosto (sim, é bem diferente!), ainda permite deixar a imaginação solta e personalizar nossas massas de macarrão como der vontade. Dá pra adicionar à farinha de trigo especiarias como a cúrcuma ou ainda espinafre ou beterraba em pó para massas coloridas; dá para incorporar sucos de vegetais frescos como a cenoura ou a ora pro nobis embelezando e deixando mais nutritiva; depois, brincar com formas e fazer espaguete, talharim, recheadas… vai por mim que é delícia!

Muito simplesmente, a básica mistura de 100 gramas de farinha de trigo e 50 gramas de ovo (1 unidade) faz um bom macarrão. Há variações de proporções e receitas que levam só gemas, ovos inteiros e mais algumas gemas, uma parte de farinha de trigo e outra de semolina, um fio de azeite para ajustar a umidade e por aí vai. Via de regra, a mistura para massa não leva sal, já que este ingrediente vai na água do cozimento e no molho que acompanha o prato. O que fiz de diferente na massa que lhes apresento hoje foi integrar à mistura 1 dente de alho bem grandinho, sem o gérmen (aquele miolinho que não é tão bom para a digestão) e tão amassadinho que virou purê. E para conseguir a umidade necessária à maleabilidade da massa fresca acrescentei azeite de oliva aos poucos. A quantidade depende do humor da farinha de trigo no dia, não há medida, só a dica de incorporar aos poucos. Depois de integrar os ingredientes, sem sovar, é importante deixar a massa descansando e relaxando o glúten por 30 minutos na geladeira. Recapitulando:

  • 100 g de farinha de trigo
  • 50 g de ovos (1 unidade)
  • 1 dente de alho sem gérmen amassado em textura de purê
  • q.b. de azeite de oliva extra-virgem

Essas medidas rendem um prato farto ou duas porções educadas, depende da fome do vivente. Eu decidi personalizar essa massa a partir das lindas imagens que surgem quando se digita no Google « pasta with edible flowers« . Trata-se de comprimir entre duas lâminas de massa algumas pétalas de flores comestíveis, pressionando-as com a máquina para macarrão ou com o rolo até que as pétalas se integrem à massa e imprimam suas formas ali. Além das flores, que funcionam linda e artisticamente mas não agregam sabor ao prato, « imprimi » também algumas folhas de manjericão cujo sabor explodiu na boca na hora da degustação. As variedades que escolhi foram malvavisco vermelha (Malvaviscus arboreus) e cunhã azul ou feijão borboleta (Clitoria ternatea), além das verdes folhas de manjericão. O ideal é recorrer à máquina para massa fresca para obter massas bem fininhas. Como a minha parou de funcionar no meio da brincadeira, terminei o processo com o rolo e também funcionou para selar as flores, mas não ficou tão fininho quanto poderia. De todo modo, ficou uma lindeza e uma delícia!

Depois de pronta a massa (passo a passo na « fotonovela » abaixo), levei ao cozimento em água fervente e salgada por 4 minutos, mas para massas mais finas 3 minutos são suficientes. Massa fresca cozinha mais ligeiro que massa seca, fiquem de olho para não perderem o ponto al dente. Para temperar meu talharim, aqueci um pouco de azeite de oliva onde refoguei muito rapidamente um pouco de semente fresca de coentro e 1 dente de alho pequeno (também sem gérmen). Desliguei o fogo e incorporei folhas de coentro e uma colher de nata, mas pode ser substituído por creme de leite fresco ou até o de caixinha. Uma pitada de noz moscada e é só melar o macarrão. Por cima, couve-flor cozida, folhas frescas de manjericão, uma chuvinha de parmesão ralado na hora e flores para decorar e devorar.

pâte fleurie chaud patate 02
Sobre uma superfície enfarinhada, abra a massa fresca o mais finamente possível. Em seguida, distribua as pétalas e as folhas sobre ela, colando-as com um pouco (bem pouco!) de água.
pâte fleurie chaud patate 03
Disponha outra lâmina de massa por cima das folhas e flores comestíveis.
pâte fleurie chaud patate 04
O objetivo é integrar os ingredientes coloridos à massa em uma só lâmina fina. Se tiver um aparelho para massa fresca, use. Senão, vamos trabalhar esse bracinho com o rolo de macarrão.
pâte fleurie chaud patate 05
Olha como fica parecendo um tecido estampado! Tão lindo que dá dó de comer…
pâte fleurie chaud patate 06
Com a faca, corte tiras de espessura uniforme: bem finas para espaguete, médias para talharim, bem grossas para pappardelle. Esse virou talharim. 🙂
pâte fleurie chaud patate 07
Massa pronta para ir para a panela em água fervente e salgada, de 3 a 4 minutos dependendo da espessura.
pâte fleurie chaud patate 08
Aqui o efeito depois de cozida, antes de ser temperada.
pâte fleurie chaud patate 09
Et voilà: talharim floral caseiro, refogado em bom azeite de oliva, alho, folhas e sementes de coentro, finalizado com nata (ou creme de leite fresco), noz moscada, couve-flor e parmesão. Na decoração, as mesmas flores e folhas « impressas » na massa fresca.

E se você curtiu essa brincadeira de « imprimir na comida », dá uma olhada nessa versão divertida e original de servir chips de batata e mandioquinha decorados com ervas frescas. Passeia pelo blog que tem muita coisa legal! 😉

chips-decores-chaud-patate-01.jpg

Publicités

Répondre

Entrez vos coordonnées ci-dessous ou cliquez sur une icône pour vous connecter:

Logo WordPress.com

Vous commentez à l'aide de votre compte WordPress.com. Déconnexion /  Changer )

Photo Google

Vous commentez à l'aide de votre compte Google. Déconnexion /  Changer )

Image Twitter

Vous commentez à l'aide de votre compte Twitter. Déconnexion /  Changer )

Photo Facebook

Vous commentez à l'aide de votre compte Facebook. Déconnexion /  Changer )

Connexion à %s